demora…

ele demorou, mas chegou. ei-lo aqui: carlos drummond de andrade, cujo nome dispensa maiores e melhores apresentações. mineiro de itabira, foi o mais carioca deles. aqui, ele é apresentado em versos que têm a simplicidade da boa música, mesmo sem rimar. a rima, busquemo-la no sentido, não no som. apreciemdrummond

as sem-razões do amor

eu te amo porque te amo,
não precisas ser amante,
e nem sempre sabes sê-lo.
eu te amo porque te amo.
amor é estado de graça
e com amor não se paga.

amor é dado de graça,
é semeado no vento,
na cachoeira, no eclipse.
amor foge a dicionários
e a regulamentos vários.

eu te amo porque não amo
bastante ou demais a mim.
porque amor não se troca,
não se conjuga nem se ama.
porque amor é amor a nada,
feliz e forte em si mesmo.

amor é primo da morte,
e da morte vencedor,
por mais que o matem (e matam)
a cada instante de amor.

(Carlos Drummond de Andrade)

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: